História de Luís Eduardo Magalhães

Luís Eduardo Magalhães é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2013 é de 73.061 habitantes.

O município de Luís Eduardo Magalhães era antes um pequeno povoado denominado Mimoso do Oeste, que passou em 3 de dezembro de 1987 a ser distrito de Barreiras. Em 1998, assumiu a denominação atual, para, após referendo decorrente de projeto da deputada estadual Jusmari de Oliveira, transformar-se no município, cujo nome remete ao falecido deputado, filho do Senador Antônio Carlos Magalhães, em 2000. Em 2007 o STF declarou a inconstitucionalidade da criação do município, dando ao legislador federal prazo de 2 anos para legalizar a situação. Mediante Emenda constitucional o congresso avalizou a criação do município.

Em 1974 chega a região os baianos Enedino Alves da Paixão (Negão) e sua esposa Maria Firmino de Jesus, com seus oito filhos. Instalaram-se no entroncamento das BRs 242 e 020, construindo uma pensão que alojava os caminhoneiros que transitavam pelas BRs.

No início dos anos 80, aportaram-se na região pecuaristas e agricultores oriundos do sul do país em busca de melhores condições de vida,e atraídos pelas características da topografia, a grande abundância de água e sua altitude, que a caracterizava como uma possível nova fronteira agrícola. Dentre estes agricultores e pioneiros, encontravam-se os senhores Adelchi Pereira Ramos, que chegou contratado para trabalhar no Posto Mimoso em 1981, em 1984 Jacob Lauck, agricultor e piloto e Amélio Gatto ambos gaúchos. Em 2 de abril de 1982, dando inicio ao projeto de colonização que tinha em mente,depois de já ter sondado a região junto com seu filho mais velho; Sr. Hipólito Cardoso Ferreira, o pecuarista e empresário goiano Arnaldo Horácio Ferreira adquire uma área de terra equivalente a 182.000 ha (que aos poucos a maior parte foi vendida para agricultores que chegavam do sul do país) e estabelece o posto de combustíveis acima citado com o nome de Posto Mimoso, que pela sua localização se transformou em recordista mundial na venda de combustíveis, inclusive sendo citado no Guinness Book.

Em 1984, estabelece a Colonizadora e Administradora Vale do Rio Grande, CARIG, e funda o povoado de Mimoso que em 1986, também mais ou menos nesse ano nasce um grupo de empresas denominado de GRUPO MIMOSO, nos ramos de hotelaria, transportes, alimentícios, combustíveis (Ferreira diesel -tr e posto 90 [este último servindo de terminal rodoviário da cidade inclusive até os dias atuais]) e agropecuária (fazenda Grécia e fazenda Mimoso) também de propriedade do fundador, passou a se denominar Mimoso do Oeste, e em 3 de dezembro de 1987 é elevado à condição de distrito de Barreiras. Também em 1984 chegaram, Luís Hashimoto, agricultor, Eduardo Massao Yamashita, engenheiro agrônomo do Paraná, e o gaúcho Constantino Catarino de Souza, este até então radicado em Pérola, cidade paranaense, que em busca de expandir sua capacidade de produção agrícola e pecuária, adquiriu uma grande área de terra, onde iniciou a produção de grãos e a criação de gado.

Siegfried Janzen, conhecido como Toni, de Dianópolis, TO, fundou a primeira Associação de Moradores de Mimoso do Oeste. O evento foi comemorado, com torneio de futebol e a assinatura de uma declaração. Chegando também a promissora região o pedreiro Aparecido Cirilo e sua esposa Amélia Pontes Costa Cirilo (Amelinha) e família, sendo ela uma das primeiras enfermeira da região salvando vidas de pessoas.

Ottomar Schwengber, agricultor gaúcho, viu na cidade a possibilidade de prosperar, comprando grande quantidades de terras, que após sua morte em 1992, foi dividida entre seus filhos que estavam na Bahia (Alguns ficaram no sul), foi a família Schwengber que fundou o primeiro CTG (Centro de Tradições Gaúchas) da cidade, devido o pioneirismo dos Schwengber, foi fundada uma escola municipal com o nome de Ottomar, a escola Ottomar Schwengber. Através da Lei n° 395/1997, em 17 de novembro de 1998, passou a denominação atual, para após referendo, decorrente de um projeto elaborado pela então deputada estadual Jusmari de Oliveira, transformar-se no município, cujo nome remete ao falecido deputado, filho do Senador Antônio Carlos Magalhães, em 30 de março de 2000, pela Lei 7619/00. A criação do município foi alvo de muitas críticas, como a que afirmava ser a lei 7619/00 inconstitucional, sendo também o referendo que autorizou a criação do município.

Pages: 1 2